Avaliação: Preciso mesmo realizar?

É muito frequente o questionamento a respeito da real necessidade de realizar avaliação com o fisioterapeuta, antes do início de um tratamento. É de fundamental importância que o primeiro contato entre o profissional e seu futuro paciente seja um momento de conversa e avaliação minuciosa, para que, desta forma, o plano de tratamento seja traçado de forma correta e individualizada. É comum que o paciente já tenha passado pelo médico, realizado exames de imagem (raio-x, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros…) e algumas vezes já tenha inclusive passado por outros profissionais da área da saúde, buscando diagnóstico e tratamento para sua dor. Entretanto, nenhuma dessas condutas anteriores dispensa esse primeiro contato para realização da avaliação.

Este procedimento, normalmente, se inicia por uma anamnese detalhada, ou seja, uma conversa onde o profissional deve questionar o paciente, buscando extrair todas as informações que julga necessária para entender melhor o que levou aquela pessoa à queixa principal que motivou a consulta. Mesmo aquelas situações que podem não parecer importantes, podem auxiliar na construção do diagnóstico fisioterapêutico. Depois dessa conversa, são realizados testes específicos, testes de força muscular e mobilidade articular, buscando fundamentos para o fechamento do diagnóstico. Por último, mas não menos importante, devem ser observados os exames complementares. Estes exames nunca podem ser observados sem conhecermos a história pregressa do paciente. Existem inúmeros casos onde existem achados radiológicos (hérnias de disco, protusões discais, listeses, cistos, e etc…) importantes e o paciente não apresenta queixas, assim como há pacientes que sentem sintomas importantíssimos, mas não possuem achado radiológico que embase alguma patologia que justifique tal quadro de dor.

A avaliação inicial é fundamental para um plano de tratamento eficaz e resolutivo, pois assim é possível oferecer ao paciente um programa de tratamento personalizado ao seu quadro, queixas e limitações. É impossível falarmos de Fisioterapia de qualidade, realizada de forma individualizada sem esse primeiro contato para conhecimento das necessidades e anseios da pessoa que busca por tratamento.